Não use software pirata na sua empresa!

O Brasil é o país com mais cópias piratas do sistema operacional da Microsoft, não só o Windows mas como qualquer outro software ou jogos para computador.  Embora 50% de todos os softwares instalados em computadores brasileiros ainda sejam piratas, a tendência é de queda. Em 2007, esse índice era de 59%, segundo a BSA, associação internacional de empresas do setor.

O valor ainda é bem mais alto do que o dos países desenvolvidos. Nos Estados Unidos, esse valor é de 18% e no Japão, de 19%. O Brasil vai melhor, porém, do que vizinhos como a Argentina (69%) e a Venezuela (88%).  A estimativa da BSA é que o mercado de softwares licenciados movimente US$ 2,9 bilhões (R$ 6,4 bilhões) por ano no Brasil – sem os softwares piratas, seria o dobro.

Um dos fatores que mantém o índice nacional alto é a utilização de softwares não licenciados dentro de empresas. Há tanto aquelas que operam com base em cópias piratas quanto as que compram esses direitos, mas utilizam um número maior do que o contratado.



Se você usa o Windows pirata com certeza você sabe de có e salteado a famosa frase “Você pode ter sido vítima de falsificação de software.”

Tem muitos tutoriais ensinando você a burlar isso, mas o que você não sabe é que a Microsoft sabe que você está pirateando o software e quer que você continue pirateando, sim, exatamente isso que você leu, desde o Windows XP até o 10 a Microsoft viu que a pirataria era bom para ela, e aos poucos, foi  pegando mais leve com os usuários piratas.

O Windows XP e o Vista, por exemplo, possuíam limitações duras no início! No caso do XP, o Windows Genuine Advantage foi empurrado como uma atualização que poderia bloquear os usuários do computador. A partir daí, as limitações começaram a ficar mais brandas. O Windows Vista relaxou mais as coisas e ofereceu um modo de funcionalidade reduzida. Esse modo permitia que você fizesse login em computador por uma hora de cada vez.

Com a chegada do Windows 7 as limitações ficaram ainda mais suaves. As coisas ficaram completamente amolecidas com o Windows 8 e 8.1. No caso desses últimos, você verá uma notificação a cada hora informando que a sua versão não é original. Também existirá um aviso permanente no canto inferior direito da tela. Algumas opções de personalização estarão limitadas, dentre outras coisas.

Essas limitações, embora sejam um pouco desagradáveis, são muito brandas. De fato, você ainda poderá continuar usando o seu computador normalmente. Todos os seus aplicativos irão funcionar. Você nunca será impedido de acessar o seu PC. Você receberá normalmente atualizações de segurança importantes do Windows Update. É verdade, as mensagens são chatas, mas você poderá continuar usando o seu computador.

Mas você deve está se perguntando, por que a Microsoft deixa a pirataria correr solta? Na verdade ela não está muito preocupada com usuários comuns, como eu e você, mas ela fica em cima de “peixes grandes”, como empresas, governo e pessoas importantes como líderes de governo e CEOs de empresas grandes etc.

Quando uma empresa deixa você usar uma cópia pirata do software, ela apenas está seguindo uma estratégia de marketing genial, eu particularmente apelidei de Marketing Estratégico do Vício, isso porque ela faz com que você fique viciado no software dela e não consiga usar outra coisa, você não consegue “sair da matrix”, porque é difícil sair do hábito, é difícil ter que aprender a usar um software novo, ter que se acostumar com novas teclas de atalho, layouts e ferramentas diferentes, com certeza tem muitos designers que não sabem usar outro programa que não seja os do Pacote Adobe porque estão acostumados a desde sempre a usá-los, inclusive o vício no software de uma determinada empresa é tão grande que quando uma pessoa se depara com outro software ela diz que é ruim, que é “bugado”, não tem as funcionalidades que ela quer etc.

Quando um empresário abre uma empresa, ele é obrigado a comprar a licença dos softwares porque seus colaboradores não saberão usar uma alternativa mais barata ou gratuita de outros softwares que tenham a mesma função, por exemplo, um empresário que queira abrir uma agência de publicidade e decida usar o GIMP  ao invés do Photoshop teria dificuldades em contratar pessoas que saibam usar o GIMP, mas se esse empresário quiser dar uma de espertinho e piratear o Photoshop para economizar dinheiro, aí a Adobe rastreia a empresa dele e mete um processo! É mais barato e mais vantajoso para as empresas de softwares ficarem fiscalizando e processando os “peixes grandes” do que ter que processar milhares de usuários comuns, a Microsoft por exemplo, teria um gasto enorme com advogados para processar quase 300 milhões de pessoas no mundo inteiro que usa o Windows pirata e não teria um retorno em indenização que compensasse, já que pessoas comuns não tem tanto dinheiro, mas processar uma empresa que usa software pirata é melhor porque a indenização é alta, foi o que aconteceu recentemente com a Universidade Cândido Mendes que teve que levar um prédio a leilão para pagar R$ 42 milhões em dívidas com a Microsoft por causa do uso de Windows e Pacote Office piratas em suas unidades.



Sabemos que uma empresa pode gastar muito dinheiro com softwares, só a licença do Windows custa R$ 800, mas não tente dar uma de espertinho, você pode economizar uma grana agora, mas vai pagar o dobro lá na frente. Existe uma alternativa muito boa para quem não quer gastar dinheiro com softwares, use programas open source, livres ou com versão free, o sistema operacional Linux deveria ser obrigatório nas empresas.

Compartilhar